domingo, 27 de novembro de 2011




THOMAZ GREEN MORTON: CHARLATÃO DESMASCARADO




Se ele entorta colheres com poderes paranormais então está fazendo do jeito mais difícil. James Randi, sobre Uri Geller
 
 
 
O mágico profissional e cético James Randi, através da fundação que dirige (James Randi Educational Foundation), oferece um milhão de dólares (mais de três milhões e meio de reais no dia em que escrevo este ensaio) para qualquer pessoa que reproduza um fenômeno paranormal sob controle científico. O programa Fantástico da Rede Globo de Televisão fez uma série de matérias sobre o desafio de James Randi e procurou dentre vários candidatos brasileiros um que tivesse chances de ganhá-lo. A Sociedade da Terra Redonda ajudou na criação desta série de matérias acessorando a produção do programa. Eu mesmo participei ativamente de um teste de seleção de candidato.
As Flores de Plástico Não Morrem
O nome do suposto paranormal era Johnny Gaspar. Ele alegava "ressuscitar" flores murchas "energizando-as" apenas com a proximidade de suas mãos. A equipe do Fantástico me convidou a participar de um teste com ele que seria feito no Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Também participou do teste como observadora a bióloga Yara Oliveira Brito. Escolheu-se uma flor no roseiral do Jardim Botânico e Johnny começou a "energizá-la". Ficamos horas debaixo do sol forte esperando um evento paranormal. Tudo foi filmado ininterruptamente. Comparamos as filmagens da flor-cobaia antes e depois da energização. Nenhuma mudança.
No dia seguinte voltamos ao mesmo local e a flor estava notavelmente revigorada. A bióloga explicou que durante a noite a planta poderia ter recebido o necessário para uma recuperação, como orvalho, temperatura mais amena, etc. Isto justificaria a melhora e descartamos a possibilidade de ter sido algum efeito retardado dos supostos poderes paranormais de Johnny. Escolhemos outra flor. Novamente ficamos por mais de uma hora parados debaixo de um sol forte observando atentamente o sujeito com suas mãos próximas da flor tentando "ressuscitá-la" com poderes paranormais. Como no dia anterior, nada aconteceu. O candidato foi descartado.
O teste não teve o rigor científico que eu gostaria que tivesse, mas acho ele válido. Tiro conclusões importantítissmas desse caso aparentemente simplório. Assim como Johnny, algumas pessoas acreditam que "energia" emana das mãos e que essa energia é "positiva". Atribuem poderes curativos a essa "energia" e julgam que essa energia pode de alguma forma diminuir ou até dirimir doenças e dores. Não penso que Johnny deliberadamente esteja tentando enganar os outros alegando ter poderes curativos. Ele seria um charlatão inocente, que realmente acredita ter poderes. Foi isso que percebi nele, mas posso estar errado.
O Toque Terapêutico é uma forma elaborada dessa crença. Imaginemos uma situação onde um sujeito vai até um curandeiro que usa o toque terapêutico na esperança de curar-se de uma aguda dor na barriga ao invés de ir no consultório de um médico. Uma úlcera pode ser mascarada por essa simples atitude insensata. Nenhum Johnny jamais provou que o toque terapêutico funciona, seja com plantas, seja com humanos (sem falar nas evidências contrárias ao TT). Não há a menor evidência experimental que o sustente, nem argumentos sensatos que sirvam de base para a crença. Esse fenômeno paranormal não existe e uma atitude de acreditar nele ao invés de valer-se da medicina séria pode ter consequências desastrosas.
Muitos outros candidatos além de Johnny foram analisados. A maioria falhou nos testes. Os que não falharam fugiram antes de ser testados, como o curandeiro charlatão Roberto Lengruber, que alegava curar o alcoolismo "energizando" as fotos dos doentes. Lengruber chegou a ser preso décadas atrás por praticar curandeirismo. Até que finalmente um provável vencedor dentre os candidatos surge em cena: Thomaz Green Morton, tido como um dos mais famosos paranormais do Brasil.
Apresentando: Thomaz Green Morton

Thomaz Green Morton, um farmacêutico mineiro, alega ter várias habilidades paranormais. Entorta colheres e moedas. Faz luzes coloridas surgirem misteriosamente. Faz perfume verter de suas mãos nuas. Transmuta substâncias, como açúcar refinado em um pó anestésico dourado. Faz luzes coloridas surgirem do nada. Faz carros andarem sem ninguém no volante enquanto ele fica sentado na cadeira do carona. Cura dores e pessoas com poderes mentais. Devolve a vida à pintinhos e passarinhos mortos. Adivinha o conteúdo de carteiras (incluindo o que está preenchido nos cheques nelas). E para o espanto de todos faz um ovo não fertilizado virar galinha! Parece que temos o nosso homem, o primeiro no mundo que irá provar a existência da paranormalidade e ganhará a bolada milionária de Randi. Ou não...
Desmascarando Thomaz Green Morton
Os admiradores de Morton fizeram uma celeuma, aqui na STR recebemos vários e-mails de pessoas dizendo que o paranormal iria nos derrotar. Morton disse que iria fazer um ovo não fertilizado dar origem a um pintinho na frente de Randi para ganhar o milhão de dólares. Mas não foi isso que ele fez. Ele latiu mas não mordeu. Fugiu da carrocinha cética com o rabinho entre as pernas.
Thomaz Green Morton foi flagrado usando pessoas vestidas de preto no meio da mata para criar os flashes de luz colorida. Usou também máquinas fotográficas ocultas em sua roupa e próximas a ele para criar o mesmo efeito. Como foi mostrado na reportagem do Fantástico, na gravação feita pelo próprio Morton pode-se ver uma câmera fotográfica sendo usada para criar os flashes. Em outra filmagem a câmera dispara sozinha e Morton fica visivelmente constrangido e tenta desesperadamente atrair a atenção dos presentes para outro ponto, para que não descubram a câmera debaixo da mesa.
Um amigo de Morton o filmou com um garfo quebrado. Morton consertou o garfo. Analisando a gravação vemos claramente Morton trocando o garfo quebrado por um normal. Em outra gravação Morton alega que um pó de essência vegetal surge de suas mãos. Analisando-a vemos que ele distrai a atenção dos presentes e sorrateiramente tira o pó de um local previamente preparado. Morton fala, fala, mas sempre foge do teste de James Randi. Ele sabe que é uma fraude. Ele sabe que Randi o deixaria arrasado. Duas coisas Morton não é: paranormal e bobo.
Israelense Que Entorta Colheres e Randi Entorta Ele
Nos anos 70 um israelense chamado Uri Geller ficou muito famoso pelos seus feitos ditos paranormais. Ele apresentou-se várias vezes em programas de televisão entortando talheres e aneis, consertando relógios, adivinhando o conteúdo de envelopes lacrados, materializando dinheiro de outros países e outras tantas peripécias aparentemente sem explicação científica. Milhões de pessoas acreditavam nos poderes paranormais dele, alguns até o veneravam. Até que um sujeito demonstrou que tudo não passava de truques baratos de ilusionismo. O sujeito foi James Randi.
A Verdade Sobre Uri Geller
Uri Geller entortando uma colher

Uri Geller entortando uma colher
Geller nunca aceitou o desafio de Randi, mas mesmo assim o mágico o desmascarou. No livro "The Truth About Uri Geller" (A Verdade Sobre Uri Geller), Randi conta como tudo foi feito. Randi conseguiu ver poucas vezes com seus próprios olhos o israelense em ação valendo-se de disfarces (fingiu ser um jornalista) para não ser reconhecido. Geller sabia que seria pegado se apresentasse seus truques na frente de um mágico profissional experiente como Randi e por isso proibia com raiva qualquer tentativa de colocar um ilusionista próximo a ele. Como não podia testar nem se aproximar de Geller, Randi treinou jornalistas e outras pessoas a observarem da forma correta o israelense. Com o devido treinamento de ilusionismo (e um pouco de senso crítico) eles e qualquer outra pessoa podem perceber que o "paranormal" na verdade é um sujeito fazendo truques.
Randi valeu-se de gravações independentes de Geller exibindo-se para mostrá-lo fazendo truques. Alguns quadros das filmagens, quando congelados, mostraram claramente quando Geller usava cadeiras ou a mão dos apresentadores como alavanca para entortar as colheres.Randi também reproduziu os feitos de Geller usando seus conhecimentos de ilusionismo. Geller processou Randi, a editora e o CSICOP após a publicação do livro. Perdeu todas as ações e ainda teve que indenizar os céticos. Perdeu a banca de paranormal.
James Randi entortando uma chave

Macaco Charlatão de Imitação Paranormal
Onde Geller entra nesta história? Thomaz Green Morton o imitou, em todos os sentidos. Geller conta que ganhou seus "poderes" ao se encontrar com uma misteriosa esfera voadora de luz. Morton diz que um raio caiu do céu e o atingiu, dando-lhe os poderes paranormais (Shazam!). O número preferido de Geller é o das colheres entortadas, assim como o de Morton. Geller criou um cadilac cheio de colheres entortadas coladas na lataria que mais parece um carro alegórico. Morton criou um boneco tosco de metais tortos que mais parece um entulho de ferro-velho. Geller adora usar depoimentos de atores e celebridades da televisão como prova de seus poderes. Morton é também conhecido como "guru das estrelas" pelo mesmíssimo motivo. Geller nunca aceitou o desafio de Randi. Morton também fugiu. Ambos foram expostos e desmascarados. Ambos são enganadores, charlatães. Ambos devem ser condenados ao ostracismo (e no caso de Morton, à prisão).
Charlatanismo e Curandeirismo São Crimes: Cadeia Neles!
Morton admitidamente cometeu crimes. Na edição nº 151 de 24/06/2002 da revista Istoé Gente (pág. 61) Morton admite claramente praticar o crime do curandeirismo, do exercício ilegal da medicina e omissão de socorro num atropelamento. O Código Penal Brasileiro diz que curandeirismo e charlatanismo são crimes:
Charlatanismo
Art. 283 - Inculcar ou anunciar cura por meio secreto ou infalível:
Pena - detenção, de 3 (três) meses a 1 (um) ano, e multa.
Curandeirismo
Art. 284 - Exercer o curandeirismo:
I - prescrevendo, ministrando ou aplicando, habitualmente, qualquer substância;
II - usando gestos, palavras ou qualquer outro meio;
III - fazendo diagnósticos:
Pena - detenção, de 6 (seis) meses a 2 (dois) anos.
Parágrafo único - Se o crime é praticado mediante remuneração, o agente fica também sujeito à multa.
Morton afirma que cura pessoas por "energização", o que constitui charlatanismo. Morton usa palavras (RÁ!) e dá o seu pó mágico dourado para as pessoas dizendo que ele irá curá-las, o que constitui curandeirismo. Thomaz Green Morton é um criminoso e o Código Penal clama por sua prisão.Céticos 10 x 0 Paranormalidade
Dificilmente outro pretenso paranormal tentará, aqui no Brasil, participar do desafio de Randi nos próximos meses. Todos devem estar temendo virar um Geller, um Morton: um picareta na frente de todos. Escondem-se em seus guetos, onde as câmeras e o ceticismo não os alcançam. É uma pena. Espero que as pessoas que cruzem o caminho desses picaretas tenham o mínimo de ceticismo para não cair na armadilha deles.
O prêmio de Randi continua esperando por um ganhador. Meu palpite é que ele continuará assim até o fim dos tempos. Continuamos como começamos, ninguém até hoje provou a existência de fenômenos paranormais. Para os que alegam que paranormalidade existe não digo RÁ!, dgo HA HA HA...

Fotos retiradas dos sites de James Randi e do Fantástico.
texto retirado do blog :   Sociedade da Terra Redonda - S.T.R.  Thomaz Green Morton  Charlatão Desmascarado.htm



Nenhum comentário:

Postar um comentário